EXPOSIÇÃO RETRATA A IMPORTÂNCIA DA LUZ NA ARQUITETURA

A luz que incide nas fachadas modernistas mundo afora é tema de uma série de pinturas e relevos do artista plástico pernambucano, radicado em São Paulo, Hildebrando de Castro.

Resultado de intensa pesquisa sobre a presença da luz na arquitetura, a exposição “Arquitetura da Luz” vai até o dia 24 de outubro, na Galeria Oscar Cruz, na capital paulista, e retrata importantes edifícios modernistas mundiais, como o Unite D’Habitation, em Berlim, projetado por Le Corbusier , e o pavilhão da Bienal de São Paulo, de Oscar Niemeyer.

Nas obras, a fotografia foi o ponto de partida para as pinturas em tinta acrílica sobre tela que compõem a mostra do artista e que vão muito além da representação figurativa do jogo de luz e sombra provocado pelo sol ao incidir sobre elementos estruturais arquitetônicos, com destaque para as ricas variações cromáticas provocadas pela iluminação. As pinturas estão relacionadas diretamente à representação realista, mas também apontam para a abstração geométrica, op art, a arte cinética e o construtivismo. Vale a pena conferir!

Exposição Arquitetura da Luz
Galeria Oscar Cruz
Rua Clodomiro Amazonas, 526/528 – Itaim Bibi – São Paulo
Até 24 de outubro de 2015
Terça a sexta das 11h às 19h e aos sábados das 11h às 17h
http://www.galeriaoscarcruz.com


Mais cidades recorrem a PPP para aportes em iluminação

Sem dinheiro em caixa para ampliar e modernizar as redes de iluminação pública em curto prazo, as prefeituras de Maceió (AL) e Uberaba (MG) terão PPPs (parcerias público-privadas) para o setor.

Em Uberaba, o governo calcula que serão necessários cerca de R$ 120 milhões para substituir as atuais lâmpadas por tecnologia LED, além de ampliar e gerir o sistema.

“A empresa terá de investir na troca das luminárias nos primeiros dois anos [da concessão]. Por conta própria, o município não teria condições de fazer o aporte nessa velocidade”, afirma o secretário Glauber Faquineli.

O argumento é o mesmo de Maceió, onde a administração calcula que levaria até dez anos para substituir as luminárias atuais por pontos de LED se fosse investir com capital próprio no projeto.

“Com a parceria, vamos reduzir o prazo pela metade”, diz o secretário de Governo, Ricardo Wanderley.

A capital alagoana ainda não tem uma estimativa do valor que será investido. O sistema, no entanto, é maior que o de Uberaba.

Nos dois casos, para pagar os parceiros privados, as prefeituras pretendem usar receitas provenientes de taxas de iluminação já existentes.

A Abilux (da indústria de iluminação) diz que as PPPs têm se espalhado, mas que vê com preocupação a falta de cláusulas de preferência a produtos nacionais.

“O que seria uma oportunidade para os fabricantes locais, poderá beneficiar apenas os importadores”, diz o diretor Marco Martins Poli.

O maior projeto do país, o de São Paulo, permanece travado após questionamentos do Tribunal de Contas do Município. A prefeitura local informou que já prestou esclarecimentos ao órgão.

Cidades buscam parceiros privados em MG e AL

Local Maceió (AL) Uberaba (MG)
Nº de luminárias 56 mil 42,5 mil
Receita atual com taxa de iluminação R$ 12 milhões/ano R$ 9,6 milhões/ano
Período da concessão* 15 anos 35 anos

Estrada que carrega carros elétricos está em teste na Europa

Enquanto o Brasil possui atualmente apenas cerca de três mil veículos elétricos em circulação (0,04% da frota mundial), segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), esses automóveis menos poluentes são cada vez mais comuns em países como Japão, Estados Unidos e Reino Unido.

Foto: Eco Desenvolvimento

O problema é que recarregar as baterias dos carros elétricos ainda é um problema, primeiro porque as estações de recarga muitas vezes estão muito distantes umas das outras e, além disso, esses veículos demandam algum tempo para serem recarregados.

Ao pensar nesses fatores, a organização Highways England se propôs a implementar uma tecnologia capaz de permitir que usuários de carros elétricos não precisem parar para abastecer os veículos. Para que o sistema funcione, os automóveis seriam equipados com sistema wireless e poderiam trafegar em estradas especiais. Nestas áreas, haverá fios elétricos enterrados sob a estrada gerando campos eletromagnéticos que são capturados por uma bobina dentro do veículo e convertidos em eletricidade.

Por enquanto, a tecnologia será implementada como um teste durante 18 meses. Depois desse período será avaliada a necessidade de expandir o projeto para as vias públicas do país, informou o portal Bored Panda. O mesmo sistema foi instalado anteriormente na cidade sul-coreana de Gumi, o qual permitia que ônibus especiais fossem carregados durante um trajeto de 12 quilômetros.


Abilux comemora 30 anos em setembro

Em setembro de 1985, um grupo de empresários do setor de iluminação percebeu que o mundo se modernizava e que a iluminação seguia os mesmos passos, então decidiu criar a Associação Brasileira da Indústria de Iluminação (Abilux), para que o setor tivesse uma Entidade que representasse a indústria e se fizesse presente junto às Instituições mais importantes do segmento em atividade no mundo. Nesses 30 anos, a Abilux ganhou corpo e representatividade. E o mais importante: a crença no potencial da indústria de iluminação local foi sempre mantida e estimulada pelas diretorias que estiveram à frente da Entidade.

A indústria brasileira de iluminação tem contribuído para o surgimento de novas tecnologias que suprem o mercado consumidor interno com produtos que agregam valor, como design e baixo consumo de energia, apesar de todos os percalços e entraves para o crescimento do setor no País relacionados com o “custo Brasil” e a concorrência de produtos importados, que prejudica a economia.

“O grande desafio é inserir os produtos feito no Brasil nos diversos países consumidores retomando a posição de destaque ocupada por muitos anos pela nossa indústria. Tenho absoluta certeza de que os que estiverem à frente da Abilux nos próximos 30 anos darão continuidade ao nosso trabalho e perseguirão os nossos objetivos no sentido de recolocar as empresas aqui instaladas entre as mais representativas do mundo”, afirma o presidente da Abilux, Carlos Eduardo Uchôa Fagundes.

O setor vive um momento muito especial em nível mundial, pois novas soluções em iluminação estão sendo oferecidas. Alinhada com esta tendência do advento dos produtos com LED a indústria brasileira está capacitada como fornecedora dos produtos desta tecnologia com fabricação em território nacional.


Iluminação Aplicada ao Paisagismo – Curso Livre

Iluminação Aplicada ao Paisagismo

Objetivo
Capacitar o profissional a orientar clientes em projetos paisagísticos quanto à iluminação artificial, especificando os tipos, potências e modelos de lâmpadas e luminárias, favorecendo a circulação com segurança, valorizando os pontos focais e criando espaços externos que proporcionem bem estar aos usuários, de acordo com as finalidades específicas de cada área do projeto.

Diferenciais
O curso Iluminação Aplicada ao Paisagismo do Senac oferece os elementos necessários para o desenvolvimento de conceitos básicos de iluminação, definindo as atribuições do paisagista quanto à iluminação de jardins e áreas externas, aliando conceitos técnicos, estéticos e funcionais à economia de energia.

(Carga horária: 21 horas)

Atuação no mercado de trabalho
Orientar clientes em projetos paisagísticos quanto à iluminação artificial especificando os tipos, potências e modelos de lâmpadas e luminárias, favorecendo a circulação com segurança, valorizando os pontos focais e criando espaços externos que proporcionem bem estar aos usuários, de acordo com as finalidades específicas de cada área do projeto.

Panorama de mercado
Com a expansão do mercado imobiliário, o projeto paisagístico tem sido um item obrigatório, tanto em projetos de áreas privadas como públicas. A valorização das áreas externas, por meio da iluminação, tem demandado do profissional que atua com paisagismo conhecimentos sobre iluminação artificial para, juntamente com o projeto paisagístico, fornecer a especificação da iluminação e atender às demandas do mercado.

Pré-requisitos:
Escolaridade mínima: ensino fundamental completo.
Conhecer uma planta baixa de vegetação para desenvolvimento de exercícios.

Público-alvo:
Profissionais e estudantes de Paisagismo, Arquitetura, Design de Interiores, Agronomia, Engenharia Florestal ou Biologia e demais interessados que atuam ou queiram atuar na área de Iluminação aplicada ao paisagismo.

Proposta metodológica
Como estratégias, serão propostas situações ativas de aprendizagem que possibilitem ao participante vivenciar e exercitar a especificação de iluminação artificial no projeto paisagístico. Nesse sentido, serão utilizadas exposições dialogadas com apoio de slides, discussões em grupo, e exercícios para especificação de iluminação artificial em projetos paisagísticos.
- Conceitos básicos aplicados à iluminação.
- Objetivos da iluminação para o paisagismo.
- Lâmpadas e luminárias.
- Representação gráfica de símbolos.
- Projetos específicos: quadras esportivas não oficiais e fachadas.
- Tendências na área de iluminação: materiais e projetos especializados de iluminação para áreas externas.
O senac confere o certificado de conclusão do curso aos alunos aprovados.
Apresentação dos documentos:
- RG
- CPF

« Previous Entries

Powered by Wordpress | Designed by Elegant Themes