Comissão aprova projeto de descarte responsável de fluorescentes

Esse tipo de lâmpada, ao quebrar, libera vapor de mercúrio que pode contaminar pessoas, o solo, o ar e a água
Jornal da Instalação

A Câmara dos Deputados analisa uma proposta que transfere para fabricantes, importadores, revendedores e distribuidores a responsabilidade de fazer o descarte adequado de lâmpadas fluorescentes (PL 4552/12). Muito utilizadas no Brasil, as lâmpadas fluorescentes são tóxicas, visto que ao quebrarem liberam vapor de mercúrio que pode contaminar pessoas, o solo, o ar e a água. Anualmente, são descartadas 70 milhões de unidades desse produto no Brasil. 

Responsabilidade ampliada

O texto original de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), remetia essa responsabilidade somente aos fabricantes e importadores, porém, o substitutivo aprovado pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio incluiu também os distribuidores e os revendedores.

O autor do substitutivo, deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC), explicou que os produtores têm as condições necessárias para fazer o descarte adequado das lâmpadas, mas os vendedores podem fazer esse recolhimento nos pontos de venda.

“Bastaria, então, que se colocassem caixas de recepção nos fabricantes dessas lâmpadas. Os distribuidores e importadores teriam que ser responsáveis, depois, para fazer esse descarte em locais adequados, em aterros sanitários ou em locais onde se pudesse fazer a reciclagem dessas lâmpadas”. 

Grupo de trabalho

Atualmente, existe um grupo de trabalho que discute o descarte adequado de lâmpadas de mercúrio. O deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP), que participa do grupo, lembrou que a Lei de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) determina que todos os municípios tenham aterros sanitários, mas nesses locais só podem ser descartados os rejeitos, ou seja, as sobras dos produtos que não podem ser reciclados.

Para ele, uma forma de incentivar a reciclagem é diminuir a carga tributária sobre os produtos reciclados. “A questão da desoneração tributária é importante para a Política Nacional de Resíduos e ela é decisiva para o setor de lâmpadas incandescentes”. 

Tramitação

O projeto, que tramita em caráter conclusivo, ainda precisa ser analisado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta: http://www.camara.gov.br/internet/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=557199


Avant lança luminária para área industrial

Luminária High Bay LED é solução eficaz para iluminação de galpões com pé direito  de até 12 metros, além de economizar 60% de energia elétrica.



A especificação de lâmpadas e equipamentos de qualidade é um ponto fundamental no projeto de iluminação industrial, tendo em vista sua influência direta no resultado do trabalho desenvolvido pelos profissionais que atuam naquele espaço. “A iluminação inadequada aumenta a possibilidade de erro, impede a identificação de eventuais defeitos no processo e pode favorecer a ocorrência de acidentes”, alerta Gilberto Grosso, CEO da Avant, fabricante de lâmpadas e luminárias de alta qualidade.

Com os avanços na área de iluminação, indústrias de todos os portes e segmentos podem usufruir de sistemas que proporcionem aos trabalhadores melhores índices de produtividade e ainda favoreçam a redução do consumo de energia. Para atender às necessidades deste mercado, a Avant lança a Luminária High Bay LED, ideal para substituir as tradicionais luminárias prismáticas com lâmpadas de descarga.

Desenvolvida em liga de alumínio, com LEDs de alta potência e tampa acrílica frontal com acabamento soft, a linha High Bay LED Avant garante emissão de luz constante e uniforme, com aproveitamento total do fluxo luminoso, além de baixa emissão de calor. Pode ser utilizada na iluminação de galpões, centros de distribuição, indústrias e ambientes com pé direito de até 12 metros.

A tecnologia LED é a solução eficaz para economizar 60% de energia elétrica e ainda garante vantagens como a preservação do meio ambiente por não conter metais pesados na sua composição e baixo custo com manutenção, já que dura até 50 mil horas.

“Necessidades presentes e futuras da empresa devem direcionar o projeto de iluminação e sua implementação deve ser considerada um investimento”, avalia Grosso. “Isto porque, se bem preparado e bem executado, pode ser rapidamente amortizado com a redução do consumo de energia, melhor ambiente fabril, mais produtividade, segurança e melhor estrutura para ampliações a longo prazo.”

Informações técnicas:

Material: liga de alumínio e tampa acrílica com acabamento soft

Fator de potência: superior a 0,95

Temperatura de cor: 6.000K (branca)

IRC: superior a 75

Alimentação: diretamente na rede elétrica com tensão bivolt automática

Potência: 100W e 150W, conforme o modelo

Durabilidade: até 50 mil horas


Intral lança soluções em LED para ambientes industriais e comerciais

Luminárias Áster e Ônix oferecem máxima eficiência na iluminação de fábricas, pavilhões, centros de distribuição, almoxarifados, supermercados e estacionamentos

Provedora de soluções em iluminação, reunindo 64 anos de tradição e expertise no desenvolvimento de produtos que atendem às mais modernas demandas do mercado, a Intral apresenta dois lançamentos para aplicação em ambientes internos industriais e comerciais. Apostando na tecnologia LED, mais eficiente e econômica, a empresa lança as luminárias Áster e Ônix, que reúnem atributos essenciais em duas opções de design.

Por serem produzidas em LED, as luminárias não emitem raios infravermelhos, não aquecem o ambiente e não desbotam objetos, em razão da não emissão de radiação ultravioleta. Com altíssimo número de acendimentos – mais de 1 milhão –, os dois modelos são ideais para uso com sensores de presença, apresentam alta durabilidade, baixo consumo de energia, fluxo luminoso constante em toda a faixa de tensão e excelente desempenho em ambientes de temperaturas reduzidas.

Equipadas com driver de corrente de alta eficiência e confiabilidade, as luminárias Áster e Ônix oferecem funcionamento livre de manutenção por toda a vida útil, que ultrapassa 50 mil horas de operação. A alta qualidade dos módulos de LED assegura baixa depreciação do fluxo luminoso ao longo do tempo.

Os modelos Áster e Ônix são feitos em chapa de aço tratada e pintada através de sistema eletrostático a pó híbrido branco, com difusor em acrílico transparente e construção livre de mercúrio. As cabeceiras da Áster são injetadas em polipropileno. A fixação dos dois modelos é em perfilados.

Luminária Ônix, lançamento da Intral para ambientes industriais e comerciais, oferece alta eficiência com tecnologia LED e altíssimo número de acendimentos.
Crédito: Rodrigo Muniz

Novidade da Intral, luminária Áster é feita em chapa de aço tratada e pintada, com difusor em acrílico transparente e cabeceiras injetadas em polipropileno.
Crédito: Rodrigo Muniz


Parque Celso Daniel ganha “Banho de luz”

Após nove meses de obras, o Parque Celso Daniel em Santo André (SP) ganhou nova iluminação no mês de abril. Parte do projeto de remodelação do Parque envolvendo melhorias estruturais, adequações e criação de novas áreas para lazer, inclui o sistema de iluminação LED que é considerado um marco pela gestão local porque inaugura o programa municipal de investimento em qualidade e economia de energia. Denominado de “Banho de Luz”, o programa visa atingir o máximo de investimento na cidade com tecnologia LED.

A Lâmpadas Golden foi parceira do projeto, responsável pelo fornecimento de 253 luminárias para iluminação púbica da linha Extreme LED, modelo Square de 44 W, que foram utilizadas no passeio interno do parque. Elas substituíram as lâmpadas Vapor de Sódio de 150W e Vapor de Mercúrio 150W que estavam no local. Além da depreciação luminosa, após 14 anos de uso sem retrofit das tecnologias usadas, não atendiam mais as demandas dos usuários do parque, pois o baixo Índice de Reprodução de Cor (IRC) do sistema com Vapor de Sódios contribuía para um aumento da sensação de insegurança. O nível de iluminação existente possuía baixos níveis com pouca uniformidade e, após a remodelação, passou para 34 lux de média, com uniformidade de 0,49, o que garante um sistema de iluminação excelente na avaliação do coordenador Comercial da Lâmpadas Golden, Ricardo Longarço.

As lentes ópticas da luminária LED proporcionam uniformidade na distribuição da luz, cuja temperatura de cor branca contribui para aumentar efetivamente a luminosidade, sem danos à fauna e à flora.

Do ponto visto de gestão de recursos públicos, as lâmpadas com aproximadamente 14 anos de uso tinham um elevado consumo e pouca eficiência.   “Devido à precariedade do sistema anterior, é difícil de dizer com precisão qual o nível de consumo existente, mas com o novo projeto pode-se afirmar que a economia de energia está em torno de 76%”, afirma Longarço.

Outra vantagem do “Banho de Luz” que recebeu o parque é a redução dos custos de manutenção em decorrência da maior longevidade dos produtos LED. No sistema convencional trocava-se lâmpadas a cada dois anos e meio e com a luminária IP LED da Golden esta ocorrerá somente daqui 11 anos, considerando doze horas diárias de uso.

Além de trocas de postes e luminárias, foram adicionados mais pontos de iluminação para melhorar o resultado do projeto. No total, o espaço recebeu 720 pontos de Iluminação, sendo 84 lâmpadas convencionais (brancas) e 636 de LED. Também foram instalados 200 balizadores com tecnologia LED para demarcação da pista de corrida.

Com 67.500 m2 de área e uma média de 25.000 usuários por mês, o Parque Celso Daniel é um espaço urbano para uso público dos mais importantes de Santo André, reunindo em um único local pista de cooper, campos de futebol, quadra de tênis, espaço para leitura, estacionamento, redário,  lagos, área para academia e brinquedoteca.

Ficha técnica

Projeto: Luz Urbana

Lâmpadas e luminárias: Lâmpadas Golden

Órgãos envolvidos: Prefeitura de Santo André e Secretaria de Mobilidade Urbana, Obras e Serviços Públicos

Fotografia: Rubens Campo


Projetos Cubos leva agilidade a projetos arquitetônicos na área hospitalar

Golden é parceira da L+M na padronização da especificação luminotécnica

A L+M acaba de lançar mostra na Feira Hospitalar 2014 (SP) sobre o Projeto Cubos, criado como benchmarking para arquitetura hospitalar. A empresa desenvolveu com parceiros de três cadeias produtivas – construção civil, indústria moveleira e equipamentos e tecnologias médicas – projetos dedicados de ambientes hospitalares, clínicas e ambulatórios com especificação detalhada das tecnologias possíveis e requisitos necessários para sua instalação.

Para isso, o ambiente hospitalar foi desconstruído em cubos que contemplam uma vasta gama de montagem em função da especificação exigida. O projeto possui cerca de 500 e já conta com 100 ambientes especificados, que podem ser aplicados tanto em projetos novos como em reformas de instalações já existentes.

O intuito desta nova concepção de projetar, na avaliação da diretora de Marketing e Comunicação da L+M, Iside Falzetta, é desenvolver propostas que atendam desde o centro de saúde simples até o hospital de elevada complexidade, através de módulos previamente projetados. “Não queremos fazer um projeto padronizado, mas padronizar a especificação”, explica.

Entre as principais vantagens do Projeto Cubos destacam-se a precisão e a agilidade na obtenção de orçamentos, visto que todos os itens necessários já foram previamente estudados e planejados, além da segurança para o arquiteto que dispõe de detalhada especificação. O projeto que vem sendo concebido há dois anos, também avaliou do ponto de vista técnico e humano todos os itens necessários para promover o conforto de todos os usuários do sistema.

A Lâmpadas Golden é uma das empresas parceiras da L+M no campo luminotécnico. A partir de seus estudos, cada ambiente do setor hospitalar tem um projeto dedicado com especificação de desempenho, o que contempla o tipo e a quantidade de tecnologia adequada às atividades e às normas técnicas, as luminárias (com avaliação da matéria-prima usada e corpo ótico), instalações necessárias e previsão do tempo de vida para facilitar o planejamento de manutenção. Desenvolvido com o auxílio do lighting designer da Golden, Felipe Marcili, o projeto vem para otimizar o tempo de especificação e dar agilidade na execução dos mesmos.


Exportações de luminárias e reatores cresceram 80% em 2013

Luminárias foram 85% dos negócios realizados. Os outros 15% foram de reatores

Exportações da ordem de USD 5.907.569,00 em luminárias e reatores foram registradas, em 2013, pelas 20 indústrias que integram o Lux Brasil, programa de incentivo às exportações da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) em parceria com a Abilux (Associação Brasileira da Indústria de Iluminação). O crescimento, se comparado a 2012 quando as exportações foram de USD 3.252.015,00, foi superior a 80%. Luminárias foram 85% dos negócios realizados. Os outros 15% foram de reatores.

De acordo com o gerente executivo do Lux Brasil, Arnaldo Galvão, esse valor representa mais do que 18% do total das exportações de luminárias e reatores realizadas, em 2013, pelas indústrias brasileiras do setor, que neste período exportaram USD 31.768.568,00 (USD 25.191.549,00 em luminárias e  USD 6.577.019 em reatores).

Na liderança do ranking dos países que mais negócios fizeram com as indústrias do Lux Brasil estão: Paraguai, Bolívia e Uruguai. Chile, Alemanha, Colômbia, Costa Rica e Peru vêm na sequência.

“Os bons resultados são consequência de um trabalho que vem sendo realizado há cinco anos”, argumenta Galvão. Segundo ele, as indústrias de luminárias e reatores que fazem parte do  Lux Brasil tiveram a oportunidade de, através do programa, participar de feiras internacionais e nacionais e de rodadas de negócios realizadas no Brasil e no exterior. Em 2013 foram dois eventos com foco na geração de negócios.  Vinte compradores de países-alvo do Lux Brasil participaram de projetos Compradores e Vendedores.


« Previous Entries Next Entries »

Powered by Wordpress | Designed by Elegant Themes